‘Sopa de nada’ (português), Darabuc & Rashin Kheiriyeh

SOPA DE NADA

Darabuc & Rashin Kheiriyeh
12,90€ | 978-84-9871-297-1
36 págs. | cartonado | 25×23 cm |
junho 2011

— Se isso chega…
— Se chega? Até sobra!

Darabuc e Rashin Kheiriyeh são os cozinheiros desta deliciosa Sopa de nada que a partir de agora os famintos leitores poderão encontrar na ementa da OQO editora.

O autor recupera uma antiga receita, a da Sopa de pedra, um conto popular que, tal como acontece frequentemente com os contos de origem tradicional, apresenta diferentes versões consoante o país.

Darabuc, conhecedor desta rica tradição, inspira-se nela mas reelabora os ingredientes e cozinha uma Sopa de nada, pessoal, moderna e com grandes doses de humor. O resultado é uma fábula com que as crianças aprenderão a importância de partilhar e de se ser solidário. E além disso, descobrirão que, para superar situações de necessidade e dificuldades, muitas vezes só é preciso um pouco de engenho e imaginação.

Os protagonistas, tal como em quase todas as fábulas, são animais. Neste caso, Maria Raposa e João Gato, dois astutos que um belo dia chegam às portas de um palácio a pedir comida. Ali vive o avarento do João Rato que não lhes quer dar nada, e eles então oferecem-se para lhes preparar uma sopa prodigiosa, a sopa de nada.

O autor joga com o simbolismo das personagens uma vez que, tanto a raposa como o gato são animais a que o imaginário coletivo atribui características como a inteligência ou a astúcia. E outro tanto se pode dizer do rato, animal associado tradicionalmente à avareza.

Darabuc aposta numa estrutura dialogada em que as réplicas e contrarréplicas sempre engraçadas das personagens fazem avançar a história. O esquema, que em linhas gerais se mantém fiel à tradição, é o seguinte: Maria Raposa sugere algum ingrediente com que a sopa ficaria muito melhor e João Rato, que não se apercebe da artimanha, aceita de bom grado dá-lo, porque só se trata de um ingrediente sem importância.

A repetição de todos os ingredientes cada vez que se adiciona um novo, para além de contribuir para o ritmo da história, brinda os mais pequenos com uma oportunidade de ouro para trabalharem algumas das unidades de medida (pitada, fio, punhado, enfiada) mais habituais na cozinha.

Reforçam também o ritmo da narração outros recursos como a medida dos versos ou a presença de fórmulas que se repetem do princípio ao fim.

Mas se algo deve ficar claro sobre Sopa de nada, é que se trata de um álbum divertido. Abrimo-lo, damos uma vista de olhos às ilustrações de Rashin Kheiriyeh, e aparece logo um sorriso nos lábios. Que surpresa! E que personagens tão estranhas! Assim, todas vestidas de preto da cabeça aos pés, e de óculos escuros… Não parecem propriamente uns anjinhos, mas antes… e se são… shhhhiu… mafiosos?

A ilustradora iraniana que capta na perfeição o toque irreverente que Darabuc dá à história apresenta uns protagonistas nada inocentes. E ainda por cima colabora com novos motivos para a risada. Porquê? Há algo mais divertido que ver umas personagens tão sinistras de avental, a mexer a sopa na panela?

A simplicidade é uma das características da personalidade desta artista que colabora pela primeira vez com a OQO editora. Para o seu trabalho, escolhe uma paleta de cores reduzida, baseada em cores terra, alguns tons da gama do verde, do preto ou do branco. Porém, compensa esta sobriedade com óleos a partir dos quais obtém ricas texturas, e também com colagens graças às quais consegue a impressão de volume nas composições.

Não podemos deixar de comentar o cenário em que se desenrolam as aventuras destes três artistas, o deserto Nãohánada. A escolha do lugar representa uma pequena homenagem do autor aos contos de astúcia orientais, uma vez que o Oriente é um dos locais com maior tradição no género.

De novo, um pormenor revelador da enorme riqueza escondida neste álbum que bebe de tradições muito antigas e que recupera para as novas gerações um valioso património cultural. E a isto, ainda falta somar o olhar fresco e sem preconceitos do autor que cria personagens vadias de morrer a rir, e da ilustradora, artífice da estética moderna do álbum e desse look tão surpreendente dos protagonistas.

Texto de Darabuc
Ilustrações de Rashin Kheiriyeh
Tradução do espanhol de Ângela Barroqueiro

Anuncios

Deja un comentario

Archivado bajo Álbum ilustrado, Contos en portugués, Sopa de nada, Traducciones

Responder

Introduce tus datos o haz clic en un icono para iniciar sesión:

Logo de WordPress.com

Estás comentando usando tu cuenta de WordPress.com. Cerrar sesión / Cambiar )

Imagen de Twitter

Estás comentando usando tu cuenta de Twitter. Cerrar sesión / Cambiar )

Foto de Facebook

Estás comentando usando tu cuenta de Facebook. Cerrar sesión / Cambiar )

Google+ photo

Estás comentando usando tu cuenta de Google+. Cerrar sesión / Cambiar )

Conectando a %s